O desafio dos Oceanos

Durante uma simples caminhada em qualquer litoral, encontramos o triste espetáculo de resíduos plásticos poluindo areias, costas, rios, praias e mares. Além da sujeira, os danos dessa invasão se espalham por todos os lugares dos oceanos.

Minúsculos plânctons, majestosas baleias e mais de 700 espécies marinhas confundem o plástico com alimentos, tentam ingerir esses resíduos e o resultado é fatal. Já outros animais morrem vítimas do emaranhamento de redes ou linhas de pesca.

Porém, não são apenas os animais que sofrem com essa invasão plástica. Nós também estamos consumindo plástico através da cadeia alimentar e as consequências disso em nossa saúde ainda são desconhecidas, pois aguardam as conclusões de pesquisas de várias entidades. E o lixo marinho ainda causa perdas econômica.

De acordo com matéria de Exame sobre um estudo publicado no Boletim da Poluição Marinha, a “poluição dos oceanos por plástico custa ao mundo US$2,5 trilhões por ano”. Esse “valor representa todas as perdas e danos causados aos serviços ambientais importantes que o mar fornece, como a produção de oxigênio e alimentos, armazenamento de carbono e a manutenção do equilíbrio térmico no mundo. Nesta lista entram, ainda, atividades e benefícios inestimáveis ligados a atividades de lazer (contemplar o mar na praia não custa nada e é muito relaxante)”.

Lixo marinho por tipo

  • Resíduos que não são de plástico18
  • Outros plásticos6
  • Plásticos descartáveis49
  • Resíduos de plástico dos equipamentos de pesca27
Fonte: Comissão Européia

O que a poluição causa?

Vida Marinha

Emaranhamento e ingestão por animais e degradação do habitat.

Economia

O custo estimado do lixo marinho varia de € 259 a € 695 milhões, principalmente para o setor do turismo e da pesca.

Saúde

Exposição a produtos químicos através da cadeia alimentar.

Clima

A reciclagem de 1 milhão de toneladas de plástico equivale a retirar 1 milhão de carros das estradas (CO2).

Fonte: Serviço de Pesquisa do Parlamento Europeu

A expedição

Entre as principais iniciativas do movimento Voz dos Oceanos está uma expedição liderada pela Família Schurmann, que terá duração de 24 meses, apoiada pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), durante a qual os velejadores irão registrar tudo o que virem nos oceanos e nas partes remotas do planeta.

O objetivo é documentar, especificamente, a poluição plástica. A iniciativa visa também identificar possíveis soluções para a poluição marinha, mobilizar governos, setor privado e indivíduos para limpar os oceanos e inspirar inovações para libertar os mares dos plásticos.

A expedição será também uma plataforma para que cientistas, pesquisadores e ONGs possam embarcar com a Família Schurmann e assim realizarem pesquisas "in loco" nos mares e ilhas do mundo.

Voz dos Oceanos busca ainda conscientizar o maior número de pessoas para mudarem seus hábitos de consumo, principalmente, em relação ao uso de produtos plásticos descartáveis.

Veleiro da Família Schurmann em uma expedição no oceano
Família Schurmann

Os Schurmann

São a primeira família latino-americana a circunavegar o mundo em um veleiro, cruzando os mares há 35 anos. Desde 2017, são defensores da campanha Mares Limpos do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), reconhecidos globalmente pela entidade que apoia sua nova iniciativa: o movimento Voz dos Oceanos.

Navegando pelo planeta, vemos poluição de plástico em ilhas remotas e desabitadas, inclusive no meio do oceano. Isso nos preocupa muito e nos motivou a planejar este novo projeto para trazer consciência e encontrar soluções em todo o mundo. Afinal, essa é uma crise sem fronteiras.”

David Schurmann, diretor do movimento e da expedição Voz dos Oceanos

A Expectativa

Para a expedição Voz dos Oceanos, a expectativa é alcançar até 40 locais estratégicos no planeta, incluindo a costa brasileira, Fernando de Noronha, Estados Unidos (por exemplo, Nova Iorque), Caribe e outros pontos da América Central, ilhas do Pacifico e Nova Zelândia. A bordo do veleiro sustentável Kat, a Família Schurmann também navegará para as áreas conhecidas como “giroscópios”, onde as correntes marinhas convergem e agrupam uma coleção de detritos plásticos provenientes de todo o mundo.

Fernando de Noronha

Fernando de Noronha

Ilha Ducie

Ilha Ducie

Nova Iorque

Nova Iorque

Nova Zelândia

Nova Zelândia

Apoiador:

Logo ONU